Marcus Vinicius Pavan | Fotografia

Os 11 principais erros que os Fotógrafos cometem no início da carreira

categorias: fotografia
tags: , , , ,
publicado: 19/02/2019

11 Principais Erros Fotografo Carreira Inicio
 

Através de uma pesquisa de mercado, foi descoberto que muitos profissionais em início de carreira (e até mesmo alguns com mais tempo na profissão) cometem os mesmos erros na carreira como fotógrafo. Alguns destes podem ser cruciais para o sucesso ou o fracasso nesse mercado cada vez mais disputado.
 

Confira os 10 erros mais comuns que fotógrafos praticam durante o início da sua carreira e ao longo dela.
 

1. Não ter um domínio de site com seu próprio nome
 

Este é um dos principais erros que o fotógrafo comete no início de sua carreira. Não ter um domínio próprio com o nome da sua empresa é, com certeza, deixar de ganhar dinheiro e credibilidade com os seus futuros clientes.
 

Esqueça emails como Gmail, Hotmail, Terra, Uol, etc. Estes tipos de email são utilizados por amadores ou não por profissionais. Se você quer passar confiança para os seus clientes, você tem que começar com um site com domínio próprio e um email com o seu nome.
 

Você pode estar pensando: “É caro ter um domínio próprio, ainda mais no começo de carreira que não tenho clientes, e não sei criar um site”. Você tem que pensar como um empreendedor e que seu site vai gerar renda para sua empresa. A propósito, existem profissionais (profissionais mesmo e não aqueles que quebram o galho porque são baratinhos) que fazem sites bacanas por um valor de investimento até que baixo. Consultem aqui
 

Para ter um domínio próprio é muito simples, rápido e barato. E, a hospedagem do site, tem empresas que aceitam pagamento mensal e isso ajuda e muito!
 

1º passo: Registre seu domínio
 

Acesse o registro.br ou domínios.com.br por exemplo (são os mais indicados) e pesquisar o domínio que deseja registrar. Caso ele esteja livre é só fazer o pagamento e você já tem o domínio em seu nome.
 

2º passo: Servidor de hospedagem
 

O servidor de hospedagem, como próprio nome já diz, serve para hospedar o conteúdo (arquivos, imagens, etc.) do seu site, além de ser o responsável por receber e enviar emails. Para fazer um site, caso não entenda de programação, você pode contratar empresas ou profissionais especializadas (fuja de empresas com Wix da vida) como o Pavan & Caetano Design
 

2. Não ter um blog
 

Outro erro que os fotógrafos cometem é de não possuir um blog, que é diferente de ter um site (é usado como portfólio e uma apresentação do fotógrafo) Já o blog serve para você mostrar aos seus clientes os seus trabalhos atuais, comentar as novidades pelos posts, onde você pode contar a história de cada trabalho e postar suas fotos.
 

Muitos são adeptos de postar suas fotos e seus trabalhos somente no Facebook, Instagram, Flickr ou 500px. Porém, é um grande erro, pois se a política destes sites mudam, o fotógrafo é obrigado a aceitar. Além de ficar preso a eles, você eles podem deixar de existir de um dia para outro (por exemplo, Orkut).
 

A melhor forma de se ter um blog é fazê-lo em WordPress. Caso não sabia programar ou manjar de como usar as ferramentas do WP, procure profissionais que trabalham com criação de site. Clique aqui
 

3. Não dar importância ao seu orçamento
 

Um dos erros mais fáceis de se cometer na carreira é não tratar os orçamentos fotográficos de forma profissional. Responder no próprio corpo do email ou inbox na Fanpage do Facebook, pode dar impressão de pouco profissionalismo, desacreditar seu trabalho e fazê-lo perder trabalhos.
 

Ter orçamentos bem feitos, não só na descrição da proposta como o aspecto visual, é a chave para fechar mais trabalhos. Ele é uma das primeiras oportunidades que você tem para vender seu trabalho como fotógrafo e mostrar suas fotos. Um orçamento bem feito faz o cliente notar o profissionalismo e qualidade de seu serviço. Muitos fotógrafos esquecem que, na maioria das vezes, o orçamento fotográfico “chega primeiro que a reunião” e agem como se fosse apenas responder mais um email.
 

4. Não ter estratégias de preço
 

Não é porque você está presente nas redes sociais, agora possui um site ou blog ou porque você tem uma proposta de orçamento maravilhosa que os clientes vão fechar o trabalho.
 

Ter estratégias de venda, incluindo precificação do seu trabalho, requer planejamento e dedicação. Você precisa entender que, além de fotógrafo(a), é também um(a) empresário(a) e que todo o processo de captura de clientes depende de você.
 

Você deve fazer perguntas a si mesmo como “onde quero atuar? Quem são as pessoas que podem comprar meus serviços? Onde elas estão? Como elas enxergam meu trabalho ou como deveriam enxergar?”
 

É importante você não se basear somente no que os outros estão cobrando, mas sim na sua capacidade técnica de execução e na sua real necessidade, para não pagar para trabalhar.
 

5. Não estudar
 

Permanecer em qualquer profissão sem conhecer a área e estudar a fundo como trabalhar com ela é praticamente surreal. Então, por que então na fotografia muitos compram uma câmera e acham se tornam fotógrafos? Como um médico não é médico por ter um bisturi, captou?
 

O mercado é competitivo e “fácil de entrar” – o difícil é permanecer. Porém, é preciso se destacar e fazer algo novo, diferenciado, e para isso é preciso muito estudo. Faça cursos, workshops, participar de congressos de fotografia, assistir vídeos na internet, conhecer sua câmera, lentes e outros acessórios, ouça podcasts, adquira livros, aprenda sobre marketing digital para fotógrafos, mas NUNCA pare de estudar.
 

Muitos fotógrafos compram equipamentos sem saber ao certo o que e como comprar, qual a função, como usar, etc. Por isso perguntar para outros profissionais e estudo é tão importante.
 

6. Achar que vai ganhar muito dinheiro de forma rápida
 

Muitos aventureiros se enganam ao pensar que farão fortunas ou ganhar “dinheiro fácil” ao entrar na fotografia. E fazem um cálculo simples, porém errado: se eu fotografar 2 trabalhos por mês e cobrar X, vou ganhar XX. Imagina se eu fotografar 4? Coleguinha, não é tão simples assim e muito menos tão fácil.
 

Como qualquer outro negócio, a fotografia precisa de um planejamento. Esta etapa envolve o período de plantar e colher. O período mínimo para se começar a ter lucro com a fotografia é de 1 ano (se for muito bem planejado). Por isso, é preciso que você invista em conhecimento, equipamento, portfólio impresso, cartões de visita, site, etc. Portanto, o exemplo acima vai para o espaço.
 

Se levar em consideração o período que você ainda não é conhecido e precisa apurar sua técnica (dedo, olho e cérebro), o tempo para ter lucro com certeza é maior. Mais uma vez: não é porque você está no Facebook como Fulano Photographer, tem site e cartão de visita, que vai chover pedidos de trabalhos. Na maioria dos casos até para ter um bom portfólio, de verdade, é difícil.
 

A fotografia encanta, é maravilhosa, o seu amor por ela pode ser extraordinário, mas que ela vai exigir tempo, dinheiro e principalmente paciência e dedicação.
 

7. Não pensar em estratégias de marketing digital
 

Alguns profissionais não possuem tem estratégias para divulgar o seu trabalho na internet. Muitos acham que é só publicar e o trabalho está feito. Ledo engano!
 

Você precisa envolver o seu cliente onde quer que ele vá e fazer com que ele veja o seu nome quando for procurar algo relacionado à fotografia. Estar presente na internet, de forma completa, sem pedir likes ou comentários. Só assim você faz a diferença com sua concorrência.
 

8. Atirar para todos os lados
 

Um erro clássico da maioria das empresas, não é diferente com a fotografia, é a falta de foco. E como fotógrafo você sabe que o foco é extremamente importante. Não só na hora de clicar como determinar em qual área da fotografia que você quer atuar.
 

O que você fotografa? Faz produção de fotografia de arquitetura e ambientes, Casamento, aniversário infantil, fotos de produtos, portrait em estúdio, newborn, fotografia de esporte, publicidade, moda, nu artístico, fotos de eventos corporativos ou cobertura jornalística?
 

Se especializar em um segmento e “vender” que você é um especialista em uma área agrega muito mais valor a sua marca. Então quer dizer que se eu fotografo casamento não posso mais fotografar nada? Não! Você pode fotografar outras coisas, mas tem que ser especialista em uma área para vender em seu site!
 

Se especialize e dedique seu tempo e dinheiro no que você gosta, obviamente tem que ser bom, e naquilo que te traz um retorno financeiro. Afinal, não existe refeição grátis e alguém tem que paga por ela. Só divulgação não paga as contas.
 

9. Não investir em portfólio
 

Se você trabalha com fotografia, os portfólios são a conclusão e o acabamento final do seu trabalho. Através dos portfólios, tanto online e impresso, você vende sua fotografia e se diferencia dos seus concorrentes. Imagine a seguinte situação:
 

O cliente fez uma procura na internet, entrou em seu site e se encantou com seu trabalho e te chama para uma reunião. Na reunião você leva seu dispositivo móvel com algumas fotos que ele já viu no seu site e ele pede para ver algumas fotos impressas (há tempos que isso não acontece mais comigo) e você não tem. Você acaba de perdê-lo e o seu dinheiro também.
 

10. Não fazer networking
 

Quem tem Q.I (Quem Indique) sabe que pode chegar mais longe. Relacionamentos são a base para qualquer negócio e eles trazem muitos resultados. Fazer networking é, sem dúvida alguma, essencial nos dias de hoje. Ah, relacionamento não é puxar o saco ou bajular!
 

É comum ouvir fotógrafos que não ficam “puxando-saco”, mas quando você cria uma rede de relacionamento, as chances de você conquistar um cliente são maiores.
 

Seus clientes do passado são ótimas referências para o seu trabalho, mas existe uma gama de profissionais que gostam de trabalhar com quem não traz nenhuma complicação para o trabalho deles. É uma questão de ter os melhores profissionais a sua volta, que faça networking e saiba manter sua rede de relacionamentos. Não se trata de fazer “panelinhas”, mas sim de ter pessoas ao seu lado em quem você confia, pode indicar e vice-versa.
 

11. Não conhecer o mercado em que pretende atuar
 

Não conhecer o público que quer atingir e o mercado que deseja atuar é uma perda de tempo e dinheiro. Você sabe que quer fotografar casamentos ou até mesmo nascimento de bebês, mas onde estão essas pessoas? Quanto estão dispostas a pagar por um serviço de fotografia? Quem busca pelo serviço é o mesmo que irá pagar por ele?
 

São perguntas como estas que precisam de respostas. Para isso, crie uma “pessoa” do seu público, com todas as características sobre ela. Por exemplo: Vou fotografar gestantes, então minha persona é da seguinte forma:
 

O nome dela é Cláudia
Tem entre 22 e 35 anos
Visita lojas de bebês com frequência
Gosta de ir ao shopping
Tem uma renda familiar entre R$2.000,00 e R$5.000,00
Gosta de tecnologia
Faz pesquisas em blogs sobre gravidez
 

Com estas informações você pode visualizar algumas estratégias para vender o seu serviço. Conhecer as pessoas para quem quer vender é o mínimo para se ter sucesso nas vendas. Tudo isso para fechar ter um número de potenciais clientes.
 

Conhece mais algum erro que um fotógrafo pode cometer? Conte nos comentários!

Gostou do Post?
Dê um CURTIR, COMPARTILHE e faça um COMENTÁRIO:


Copyright © 2019 · All Rights Reserved · Pavan Fotografia
Telefone: (11) 98089.2738 | email: falecom @ mvpavan.com.br
Layout Marcus Vinicius Pavan | Finalização Lucas Aguilera | Programação Rodrigo Caetano